3/05/2017

2017 7 ANO

1.Introdução a Arte

A Arte faz parte do ser humano e da sociedade desde a pré-história até os dias atuais; fez e faz parte de toda produção cultural do homem, introduz novos modos de pensar, novas relações, novos pensamentos e ideias, emoções e anseios que habitam no interior tanto do Homem como da sociedade. E, ainda capacita o indivíduo no seu modo de interpretar, compreender, representar, imaginar o mundo.
Atualmente, não há um conceito exato para o que se é Arte. Sabe-se que nosso planeta vem sofrendo modificações culturais, e, a Arte, consequentemente tem sofrido transformações. Antigamente, a beleza estava vinculada a Arte, hoje, nem sempre vimos isso. No entanto, ela não perdeu sua essência, está ligada intimamente ao Homem, em si, a Sociedade e a cultura inserida na mesma. Se olharmos a nossa volta, veremos que estamos rodeados pela Arte. Ela domina todo espaço em que vivemos, determina nosso modo de ser; o que somos individual e coletivamente.

DESENHO

Desde o início da humanidade o homem desenha.
Todo desenho tem como elementos comuns: a forma, o ponto a linha e o plano. Além dos elementos básicos, fatores como espaço, perspectiva, volume, equilíbrio, direção e movimento também devem ser levados em conta ao desenhar.
Regras importantes no desenho
Enquadramento no papel –a escolha o formato do papel “paisagem ou retrato”, além da centralização do desenho no papel.

Linha do Horizonte – LH –linha pensada definida a partir do ponto de vista do observador
Pontos de Fuga – PF -Pontos localizados na linha do horizonte, na grande maioria das vezes. Linhas paralelas no mundo real devem concorrer para o mesmo ponto de fuga no seu desenho.

Luz e Sombra – a projeção da luz sobre o objeto é perceptível ao nosso olhar, através da sombra que essa luz projeta, dando-lhe volumetria ao desenho.

Verticalidade – referenciado ao mundo real, as linhas verticais devem ser usadas nos desenhos.


Profundidade- os pontos de fuga, textura, luz e sombra são formas de se dar volume ao desenho.- objetos idênticos parecem diminuir de tamanho à medida que se afastam do seu olho de observador.

Textura – tratamento gráfico dado ao plano que dá elegância e enfatiza a perspectiva - Tramas gráficas


Proporção – deve-se verificar as proporções do que se desenha, como aspecto essencial, respeitando a ilusão de profundidade, as dimensões do desenho e outros objetos que compõe o desenho.

REGRAS IMPORTANTES NO
DESENHO DE OBSERVAÇÃO - INTRODUÇÃO A PERPECTIVA





Enquadramento no papel
O tamanho do desenho em relação ao papel deve ser apropriado. Escolha o formato “paisagem ou retrato” que melhor se ajuste ao modelo a ser desenhado (vertical ou horizontal?) A centralização do desenho no papel também é muito importante.
Linha do Horizonte - LH
Todo desenho deve ter uma linha do horizonte pensada ou aparente. A linha do horizonte define o ponto de vista do observador (altura dos olhos). Em desenho de perspectiva, a LH é fundamental.
Pontos de Fuga - PF
O desenho em perspectiva pode ter 1 ponto, 2 pontos, 3 pontos (sendo um vertical) ou múltiplos pontos. Estes pontos devem estar localizados na linha do horizonte, na grande maioria das vezes.Linhas paralelas no mundo real devem concorrer para o mesmo ponto de fuga no seu desenho
 

Luz e Sombra
O nosso olho percebe fundamentalmente a luz (e por conseqüência as sombras que a luz projeta). A luz e sombra (ou claro-escuro) é fundamental para a beleza e volumetria desejada no desenho
Textura
O mundo real é feito de texturas. O desenho a lápis exige um tratamento gráfico de superfície e planos A textura deve ser trabalhada para tornar o desenho mais elegante e pode enfatizar a perspectiva.
Verticalidade
As linhas verticais do mundo real devem ser verticais no seu desenho. Use a margem vertical do papel como referencia. (com exceção dos desenhos com ponto de fuga vertical
Proporção
Aspecto essencial no desenho, saber observar as proporções daquilo que se desenha. Um cubo, por exemplo tem a proporção de 1;1;1. Ou seja, ao desenhar o cubo, ele deveria parecer ter as faces iguais (respeitando logicamente a ilusão da profundidade, que faz com que arestas mais afastadas parecerem menores do que as que estão mais perto de você)
Profundidade
O desenho deve apresentar profundidade de campo na perspectiva (o oposto da perspectiva cavaleira ou axonometrica, inaceitável em D.O.) Pontos de fuga, textura, luz e sombra são formas de se obter profundidade no desenho. Lembre-se de que objetos idênticos parecem diminuir de tamanho à medida que se afastam do seu olho de observador.





7. º ano- Apostila 1 – O Desenho e a Potencialidade do Registro no Território das Linguagens Artísticas
Situação de Aprendizagem – Artes Visuais
O desenho pode ter, como ponto de partida, vários enfoques. Há os que reproduzem o mundo real, outros que revelam a memória do seu autor e ainda os que são propostas originais de novas formas. Vejamos sobre cada uma dessas facetas nos três tópicos a seguir:
a) Desenho de observação: É a representação, na maioria das vezes figurativa, a partir da observação de um modelo se propondo a transferir para o papel de desenho sua forma, textura, iluminação, cor, etc., com auxílio de instrumentos de mensuração visual a distância ou medidas e cálculos mentais por meio da observação direta.
b) Desenho de memória: Representação gráfica que se espelha na forma de elementos da realidade visualizada anteriormente.
c) Desenho de criação: Apresenta configuração original. Pode ser obra da pura imaginação, abstração ou o resultado da combinação de outras formas já existentes, inspiradas nos elementos da realidade.
Observe os desenhos da apostila:
Edith Derdyk , em sua obra há uma diferença entre linhas no papel e no espaço, é um esboço onde se vivencia o estudo d processo de criação do artista.
Marco Buti – suas obras se assemelham a produção de gravuras
A arte rupestre consistia em pinturas e desenhos gravados em paredes e tetos das cavernas. O homem pré-histórico usava ossos de animais, cerâmicas e pedras como pincéis, além de fabricar suas próprias tinturas através de folhas de árvores, sangue de animais e excrementos humanos.

Situação de Aprendizagem – Teatro
Serroni criou um cenário com estrutura móvel que sobe e desce conforme a cena, com iluminação, filmes e imagens que possam ser projetados ao fundo.
Fabio Namatame fez um croqui da personagem de modo a destacar as suas características, o chapéu é um detalhe importante quanto a sua personalidade, não se trata de um desenho de moda e sim de um figurinista.

Situação de aprendizagem – Dança
Samwaad – Rua do Encontro - o espetáculo proporciona os conhecimentos multiculturais, apresentando vários ritmos e gêneros musicais, originários de várias culturas. A música é baseada em escrituras sagradas do hinduísmo que fala sobre iluminação e entendimento. O timbre do tamborim dialoga com a citara indiana, o samba dialoga com o odissi. Os elementos de várias culturas: samba, choro, dança de rua, capoeira, bharata natyan, dança afro e os clássicos acordes indianos em uma fusão espetacular, garantem o a harmonia de corpos de diferentes vivências, trajetórias e identidades. O nome “Samwaad” em hindu significa harmonia, característica foi garantida e, também apreciada pelo seu público no decorrer de todo o espetáculo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário